Nosso Blog

Descubra sobre sua Marca

Como criar uma startup: dicas para quem vai começar do zero

Como criar uma startup: dicas para quem vai começar do zero

Talvez você nem imagine, mas empresas gigantes como Google, Netflix, Uber e iFood um dia já foram startups. Em comum, todas elas tinham a entrada oportuna no mercado e ideias inovadoras - vai dizer que você andava sempre de táxi antes de existir o Uber? Não é à toa que esse tem se tornado um tipo de negócio cada vez mais promissor.

Se você tem espírito empreendedor, já tem um dos principais requisitos para abrir uma startup. Mas, afinal, qual é a definição para esse termo? Quais são os tipos de startups e como criar uma de sucesso? Confira abaixo tudo o que você precisa saber se pretende criar um negócio do zero.

 

O que é uma startup

Muita gente acha que startup é uma definição que se dá para uma empresa que está começando, mas, apesar de muitas realmente serem empresas em seu período inicial, muitos outros fatores também definem o que é uma startup. Na verdade, o mais correto é dizer que startup é um tipo de empresa com um modelo de negócio repetível e escalável. 

Apesar de serem inovadoras e, em muitos casos, usarem a tecnologia para seu funcionamento, startups também “vivem” em um cenário de incertezas e somente quando definem um modelo de negócios e um produto certo para o mercado é que elas se tornam uma empresa.

 

Quais são os tipos de startups

As startups podem atuar em diversos segmentos de mercado e também de diversas formas, mas alguns dos principais modelos de startups são B2B, B2C ou até mesmo B2B2C. Saiba mais sobre cada um deles:

  • B2B (Business to Business)

B2B significa “negócio para negócio”, o que quer dizer que a startup atende outras empresas e não o consumidor final.

  • B2C (Business to Consumer)

Já esse modelo é traduzido como “negócio para consumidor” e envolve o fornecedor de produtos ou serviços e também o consumidor final. O aplicativo de corridas Uber é um bom exemplo de negócio que começou como startup B2C, sendo um marketplace que conecta motoristas (os prestadores de serviços) à passageiros (os consumidores finais). 

  • B2B2C (Business to Business to Consumer)

Por fim, B2B2C significa “negócios para empresas para consumidores”. Para esse caso, um ótimo exemplo é o iFood, que também começou como startup fazendo parceria com empresas (restaurantes) para facilitar a vida de quem usa o APP (clientes finais).

 

Como criar uma startup

Não existe uma fórmula mágica para criar uma startup de sucesso, mas alguns passos básicos são indispensáveis para o “nascimento” desse tipo de empresa. Entenda abaixo quais são eles.

  • Entenda quais são as suas forças 

Muitas empresas começam a partir de habilidades de seus CEOs e, por isso, uma pergunta interessante a se fazer é “eu tenho algum hobbie ou conhecimento que pode ser transformado em renda?”. Feito isso, pergunte-se também “sei o suficiente sobre o assunto ou vou precisar de treinamentos adicionais?”. Entendendo suas forças você consegue entender também o seu valor e o valor daquilo que irá criar.

  • Entenda também seus diferenciais 

Uma coisa que todo empreendedor deve ter em mente é: em um mercado com tantos concorrentes, por que os clientes deveriam escolher a sua empresa? O que ela tem de especial e quais benefícios elas oferecem? Faça essa reflexão e garanta que sua startup vai chamar a atenção de investidores.

  • Não deixe de analisar o mercado

Não basta apenas escolher aquilo que você quer monetizar, também é preciso entender o mercado levando em consideração seu ambiente competitivo e entendendo também se aquele é o momento ideal para lançar um novo produto. O iFood, por exemplo, se popularizou junto com a alta nos smartphones e mudanças de hábito dos consumidores. Aproveite e confira 9 ideias de negócios para 2021.

  • Crie um plano de negócios

Também chamado de plano empresarial, o plano de negócio é um documento que especifica, por escrito, os objetivos de um negócio e quais são os passos necessários para atingi-los. Além de orientar o empreendedor a iniciar sua atividade econômica ou expandir o seu negócio e de definir claramente seu conceito e seus diferenciais, ele também contribui para estabelecer uma vantagem competitiva, o que pode representar a “sobrevivência” de uma empresa no mercado. Clique e veja como criar um plano de negócio.

  • Invista em publicidade

Depois de entender como será o seu negócio, você precisa investir em estratégias para atrair clientes. Use o máximo de canais possíveis como redes sociais, sites, blogs e até mesmo o bom e velho boca a boca. Se tiver verba disponível, invista também em publicidade e anúncios para atingir seu público.

  • Analise os resultados para dimensionar sua startup

De nada adianta concentrar esforços e investimentos se seus resultados não forem analisados, certo? Por isso, sempre registre suas conquistas e também os seus erros para que possa corrigi-los. Ajuste também o seu plano de negócios e defina novas metas conforme sua empresa começar a crescer. Não deixe de investir em funcionários, pois eles também fazem parte da expansão de uma empresa.

 

Por que registrar sua startup é uma prioridade

Com a alta das startups, muitas empresas começam suas atividades de maneira informal e acabam ignorando a importância de proteger sua marca em território nacional, o que é um grande erro. Isso porque, ao expor uma marca que não é registrada, você está correndo o risco de que ela seja usada ou reproduzida por terceiros. 

Além disso, somente com o registro do INPI uma marca se torna um bem imaterial da empresa, podendo ser contabilizada na determinação do valor do seu negócio e aumentando-o perante investidores. Ele também é o responsável por garantir que uma empresa possa receber royalties ao licenciar sua marca, por exemplo.

Vale ressaltar também que a marca registrada também traz lucros na comercialização de seus produtos e serviços por meio do valor agregado se for associada a diversos atributos positivos como qualidade, confiança, bom atendimento e preocupação com o consumidor, por exemplo.

Para garantir essa proteção em âmbito nacional é preciso passar por diversas etapas burocráticas e, por isso, o mais indicado é contar com a ajuda especializada de uma empresa experiente em registro de marcas, como a Move On, que facilita o processo e evita possíveis problemas com o INPI. Vale a pena entrar em contato.